sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

"Eu tenho um chalé na Suisse..."


Ora, em mais uma das deambulações pelo país solarengo e destino de veraneio - Portugal (não neste mês de Janeiro...) dei-me conta de mais um assassinato da língua de Camões... Desta vez, e para que não me restassem dúvidas, consultei um Dicionário, e além disso as novas ferramentas online que nos permitem aceder ao mundo através de um clique, em http://www.priberam.pt/dlpo/dlpo.aspx .

Assim, e na pesquisa pela palavra "SUISSO", tal como figura na imagem, a resposta que obtive foi: "A palavra não foi encontrada." Contudo, se observarmos a palavra escrita correctamente "SUÍÇO", obtemos a seguinte explicação: "suíço - adj., da Suíça; s. m., natural ou habitante da Suíça."

Para os menos habituados às nomenclaturas da língua, quer isto dizer, por extenso, que quando se utiliza a palavra "suíço" como um adjectivo, significa que é um produto da Suíça... ou então, encaramo-lo como um substantivo masculino ("s.m." não tem nada a ver com bondage, masoquismo ou sadismo) e que se refere a alguém que é nativo ou habitante da Suíça...

A menos que seja um inteligente golpe de "marketing" para vender um canivete, o que eu não acredito, é quanto muito mais uma pequenina farpa numa língua já tão assassinada quanto a portuguesa...

Um comentário:

pinguim disse...

Este interessante post remete-me para aquela rúbrica diária tão curiosa do primeiro telejornal da RTP 1, onde tenho aprendido algumas coisas; neste caso, suisso, não diria, pois também não digo Suissa...
Abraço.